• Monica

Um Exemplo de Vida e Superação

Stephen Hawking morre aos 76 anos mas deixa um legado de vida que comove a todos! Ele ficou mundialmente conhecido como o cientista que vivia recluso em uma cadeira de rodas computadorizada sem poder mexer o próprio corpo. Ele conquistou reinados da física e encantou ao mundo por sua capacidade de superação!

Stephen foi um grande cientista e um homem extraordinário. O seu legado irá viver por muitos anos. A sua coragem e persistência, além de seu brilhantismo e bom humor, inspiraram pessoas em todo o mundo. Procurou ter uma vida plena apesar da doença!


Stephen possuía esclerose lateral amiotrófica (ELA), doença degenerativa com a qual conviveu desde a juventude. Esclerose lateral amiotrófica é uma doença caracterizada por degeneração e morte dos neurônios motores no córtex, tronco cerebral e medula espinhal. De causa ainda desconhecida na maioria dos casos, é invariavelmente fatal, com morte do indivíduo afetado ocorrendo, comumente, dentro de dois a cinco anos após o início dos sintomas. O tratamento exige uma abordagem multidisciplinar buscando prover qualidade de vida e ajudar na manutenção da autonomia do paciente. Entre as abordagens multidisciplinares temos, suporte nutricional e respiratório que são muito importantes para a manutenção da qualidade de vida e aumento da sobrevivência, apoio psicológico para ambos, pacientes e familiares (uma vez que os familiares, muitas vezes, desempenham um papel central na gestão e no atendimento), a comunicação entre equipe multidisciplinar, o paciente e sua família entre outros.


As características clínicas da ELA são indicativas de degeneração e morte dos neurônios motores, tanto dos neurônios motores superiores quanto dos neurônios motores inferiores. Também podem ser consideradas, segundo o nível ou região neurológica e o local de início dos sintomas, bulbar ou espinhal (MITCHELL; BORASIO, 2007). Fraqueza e atrofia muscular progressiva são sintomas comuns. Geralmente, a fraqueza muscular inicial é unilateral, distal e em um único segmento. Em princípio, não há alterações sensitivas e disfunção vesical associada (FERGUSON; ELMAN, 2007).


Apesar dos importantes avanços no conhecimento dos mecanismos patológicos e intervenções apropriadas, a esclerose lateral amiotrófica continua sendo uma doença inexoravelmente progressiva e fatal. São necessárias mais pesquisas tanto para entender os mecanismos patológicos quanto para encontrar estratégias de tratamento pacientes.

Para maiores informações leia: https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2018/03/14/morre-stephen-hawking-aos-76-anos.htm

0 visualização